Criando o efeito vinheta no Gimp

Imagem de capa da postagem - Traz a imagem usada, o logo do Gimp e o título da postagem: Criando o efeito vinheta no Gimp

Como criar o efeito Vinheta no Gimp

Transcrição do vídeo: Como criar o efeito vinheta no Gimp
Duração: 01:49


O efeito vinheta é aquele escurecimento nos cantos, apesar de tecnicamente ser um defeito das lentes em fotografias antigas se tornou um erro aceitável e agradável a maioria das pessoas. Tão agrável que podemos simular esse defeito ou efeito na maioria dos programas de edição de fotos.
Demonstração do efeito vinheta
Efeito Vinheta
A idéia como efeito é atrair a atenção para a parte importante da imagem, escurecendo de forma gradativa os cantos.

Abaixo o link para a imagem usada.

Link: https://pixabay.com/en/old-lady-smile-beautiful-woman-old-845225/





No Gimp com uma imagem aberta clique no botão Nova camada e no diálogo escolha Cor de Frente. Observe que estamos com as configurações de cor padrão do Gimp, preto na frente e branco atrás.
Criando uma nova camada no Gimp
Criando uma nova camada no Gimp
Ajuste a opacidade dessa camada para 50%, assim conseguimos ver a imagem abaixo.

Clique na ferramenta de seleção Elíptica ou tecle o atalho "e". Faça então uma seleção que deixe em destaque a parte da imagem que se deseja dar ênfase, no meu caso o rosto. 

Seleção da área do efeito
Selecionando a área do efeito, nesse caso o rosto
Para que a seleção fique com um corte suave vamos enovar as bordas da seleção, para isso clique no menu Selecionar e escolha a opção Enevoar, no diálogo digite o valor 300. Você deve ajustar esse valor conforme o tamanho da sua imagem. Tecle Enter para confirmar.
Criando a difusão com o efeito de enevoar bordas
Configurando a difusão das bordas
Agora tecle Delete e desmarque a seleção teclando Ctrl+Shift+a.

Agora ajuste novamente a opacidade da Camada, assim você pode deixar a imagem mais leve ou pesada conforme a necessidade do trabalho.

Resultado da imagem com o efeito aplicado
Efeito aplicado
Desabilite a visualização da camada com efeito para ver a diferença.






Como vetorizar imagens no Inkscape

Imagem de capa do post sobre vetorização no Inkscape

Como vetorizar automaticamente imagens no Inkscape

Transcrição do vídeo: Vetorização automática de imagens no Inkscape
Duração: 02:17

O Inkscape tem uma Ferramenta de vetorização automática que nos ajuda a traçar um bitmap para nossa ilustração.

A Ferramenta de vetorização não tem a intenção de produzir um resultado final, ela apenas fornece um conjunto de curvas, muito bom por sinal.

Quanto mais escuro for a imagem a ser traçada melhor o resultado.

Abaixo segue link da imagem usada e link para referência sobre a Ferramenta Rasterizar Bitmap.







Importe uma imagem para o Inkscape clique sobre ela para selecioná-la e tecle "Shift+Alt+b" ou clique no Menu Caminho opção Rasterizar Bitmap, para abrir o Diálogo de configuração da Ferramenta.

Abrir o diálogo rasterizar bitmap
Use o atalho Shift+Alt+b para abrir o diálogo Rasterizar Bitmap
Você pode trabalhar em dois modos: Busca Única, onde um caminho vai ser criado e por Múltiplas Varreduras, onde grupos sobrepostos de caminhos vão ser criados. As configurações permitem a alteração do limiar, número de cores e passagens conforme a opção escolhida.

Com a primeira opção do modo de Busca Única selecionada, Nível de Brilho, clique no Botão Atualizar para ter um prévia do resultado, ou deixe marcada a opção Pré-Visualizar para que ação seja automática. Clique no Botão Ok para Confirmar.

Vetorizando imagem em modo de busca única
Vetorizando no modo de Busca única
A imagem vetorizada é criada sobre a original, clique e arraste para o lado. No modo de Busca única você ainda pode inverter a imagem.

Experimente o modo de Múltiplas Varreduras, selecione a opção Níveis de Brilho, observe o número de Passagens, clique no Botão Atualizar e depois em Ok, para vetorizar.

Vetorizando imagem em modo de múltiplas varreduras
Vetorizando imagem no modo de Múltiplas Varreduras
Arraste o resultado para o lado da imagem original. Em qualquer opção no modo de Múltiplas Varreduras podemos Desagrupar e desfolhar as Camadas que compõem a imagem vetorizada, ele deve ser igual ao número de Passagens presentes no Diálogo. O fundo da imagem também pode ser removido, basta selecionar a opção Remover Fundo antes de vetorizar.
Desagrupando imagem vetorizada em modo de Múltiplas Varreduras
Desagrupando imagem vetorizada em modo de Múltiplas Varreduras
Além de Desagrupar, você também pode Separar para obter partes específicas de um vetor.

Experimente todas as opções, teste com fotografias e imagens mais simples. Mude as opções de configurações para conhecer melhor a Ferramenta.




Teoria das cores e harmonia

Imagem de capa para o post: Teoria das cores e cores harmônicas.

Teoria das cores e cores harmônicas

A Teoria das cores e as combinações harmônicas é o assunto do nosso terceiro post sobre cores você pode ir para paras os posts anterios nos links abaixo:
Um pouco de core - início dos estudos
Emoção em cores

O resultado dos experimentos para estabelecer uma relação entre a luz e a natureza das cores, realizado entre outros por Leonard Da Vinci e Issac Newton, é chamado de teoria das cores.

Ao estudar a influência da luz solar na formação das cores Issac Newton observou que a luz era decomposta em 7 cores ao atravessar um prisma.  As cores são vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta, a esse conjunto de 7 cores Newton chamou de Espectro.

Apesar de serem considerados cores, o branco e o preto na verdade são o resultado da presença ou ausência de luz.






Uma forma simplificada de exibir as cores e combinações destas percebidas pelo olho humano é chamado de Círculo Cromático. O círculo cromático é composto por 12 cores: as 3 cores primárias, as 3 secundárias e as 6 terciárias.

Com isso temos um guia rápido para estabelecer combinações de cores, conhecidas como Combinações Harmônicas, que entre as mais comuns temos:

Complementares:
Formada por duas cores opostas no círculo cromático.

Cores complementares no círculo cromático
Cores complementares no círculo cromático
Análogas:
Formada por duas ou mais cores alinhadas lado a lado.

Cores análogas no círculo cromático
Cores Análogas no Círculo Cromático
Meio complementares:
Formada por uma cor e as duas vizinhas da sua complementar.

Cores meio complementares no círculo cromático
Cores Meio Complementares no Círculo Cromático
Triangulação ou triádicas:
Formada por três cores espaçadas igualmente no círculo cromático.

Cores triádicas no círculo cromático
Cores Triádicas no Círculo Cromático
Retângulares:
Formada por dois pares de cores complementares, que diretamente cruzadas intercalam uma cor.

Cores retângulares no círculo cromático
Cores Retângulares no Círculo Cromático
Quadrada:
Formada por quatro combinações de cores que formam um quadrado no círculo cromático.

Cores quadradas no círculo cromático
Cores Quadradas no Círculo Cromático
Gostou? Então assista ao vídeo onde apresentamos a ferramenta Gpick, com ela você vai poder criar seus esquemas de cores facilmente.

Conheça o Gpick, um selecionador de cores




Como criar atalhos de terminal - Terminal básico #06

Capa da postagem atalhos no terminal

Criando atalhos de terminal - Terminal básico #6

Duração do vídeo: 03:29
Clique aqui para assistir ao vídeo.
Visite a playlist sobre o Terminal.


Esse vídeo é um complemento ao post sobre Atalhos no terminal. A seguir o link para o post http://www.livrelabs.com.br/2017/03/5-atalhos-basicos-do-terminal.html.

Neste post abordamos 5 atalhos que ajudam na edição da linha de comando e que são comuns a grande maioria, senão todas as distribuições. São eles:
  1. Ctrl+a, esse atalho leva você ao início da linha a ser editada.
  2. Ctrl+e leva você ao fim da linha.
  3. Ctrl+u apaga todo o texto a esquerda do cursor.
  4. Ctrl+k apaga todo o texto a direito do cursor.
  5. Ctrl+y cola o conteúdo apagado por Ctrl+u e Ctrl+k.

Além desses e de vários outros atalhos pré-configurados, você pode criar seus próprios atalhos para executar as ações que deseja. Para fazer isso você deve criar um Alias.




Os atalhos podem ser criados durante uma sessão do Terminal. Para fazer isso digite:
alias la="ls -a"

Criando um atalho em uma sessão do terminal
Ataho criando de forma temporária em uma sessão do terminal
O comando deve ser digitado dessa forma respeitando os espaços, as aspas duplas podem ser trocadas por simples.

O problema com essa opção é que ela é temporária e deixa de existir assim que o terminal é encerrado.

Para persistir os seus atalhos você pode criá-los dentro do arquivo .baschrc. O bashrc é um arquivo para custumizar o bash, que é um interpretador de comandos, ele é um arquivo oculto localizado na sua pasta Home.

Conhecendo o arquivo bashrc
Visão geral do arquivo de configuração do bash, o .bashrc
As configurações do .bashrc mudam conforme a distribuição e versão, para o nosso caso que é a criação de aliases você pode criá-los no fim do arquivo. Experimente então digitar após a última linha do seu .bashrc o mesmo alias usado a pouco: alias la="la -a".
Atalho criado no final do arquivo basrc
Atalho criando e salvo para uso futuro no arquivo .bashrc
Salve e feche o arquivo, feche e abra o terminal ou digite: source ~/.bashrc. Teste o comando.

Você ainda pode criar um arquivo apenas com os seus alias e referência-lo dentro do .bashrc. Para fazer isso crie o arquivo .bash_aliases na sua pasta home e edite criando o seguinte alias: alias rm="rm -i". Assim sempre que um arquivo for excluído será pedida uma confirmação da ação. 


Criando o atalho no arquivo bash_aliases
Atalho criado no arquivo .bash_aliases
Para o arquivo .bash_aliases funcionar ele deve ser referenciado no .bashrc, procure pelas linhas a seguir no seu arquivo .bashrc.
if [ -f ~/.bash_aliases ]; then
  . ~/.bash_aliases
fi

Editando o arquivo .bashrc para apontar para o arquivo de atalhos .bash_aliases
Configurando o .bashrc para apontar para o arquivo de atalhos .bash_aliases
Normalmente essas linhas estão comentadas, em Shell Script o caracter responsável pelo comentário é o #. Remova o comentários das 3 linhas salve, feche o arquivo e reinicie o terminal para testar o comando.

Para testar vamos criar um arquivo com o comando touch teste-deletar e vamos usar o alias rm para excluir o arquivo. Observe o pedido de cofirmação antes de execução da ação. Para confirma digite s ou y.

Casos essas linhas não existam no seu .bashrc, acrescente-as ao fim do arquivo respeitando os espaços após os parênteses. Por fim, salve, feche o arquivo, reinicie o terminal e teste os comandos.

O .bashrc é um arquivo que permite uma série de configurações, muito mais refinadas do que essas, esse vídeo não é nem de longe uma introdução as configurações do .bashrc ou de Shellscript.

Clique aqui para assistir ao vídeo.
Visite a playlist sobre o Terminal.





Shotcut: Como inserir marca d'água


Transcrição do vídeo: Inserindo marca d'água no Shotcut
Duração: 02:08



Neste vídeo vamos ver duas formas de adicionar uma marca d'água em vídeos.

A primeira consiste um arquivo .png com as medidas do seu vídeo, no meu caso 1280 por 720, e nesse arquivo inserir e posicionar a imagem. Criei meu arquivo no Inkscape. Para fazer isso com o arquivo aberto tecle Ctrl+d para acessar as Propriedades da Página, mude então as unidades de medida para pixel e a largura e altura para as medidas do vídeo. Feche o Painel.
Insira ou desenhe a imagem que será apresentada e tecle Ctrl+Shift+f para ajustar a Opacidade, eu deixei em 50%. Feche o Painel Preenchimento e Contorno. Pronto exporte a página teclando Ctrl+Shift+e.
No Shotcut insira um vídeo na Timeline e crie uma nova Track de Vídeo, para fazer isso clique no Botão de Menu da Timeline e escolha a opção Add Video Track.




Abra a sua imagem teclando Ctrl+o e navegando até ela, ao abrir ela passa a ser exibida no Player. Arraste a imagem para a nova Track. Ajuste o local de entrada e o tamanho do tempo de exibição na Timeline
Aplique os Filtros de Vídeo Fade In e Fade Out, não esqueça de clicar na opção "Adjust opacity instead of fade with black", essa opção evita o preenchimento da transparência da imagem com a cor preta. Rode o vídeo para ver o resultado.
No segundo método exportamos apenas a imagem e usamos o Filtro Size e Position para ajustar sobre o vídeo. O funcionamento é basicamente o mesmo, inserimos um vídeo na Timeline, criamos outra Track de Vídeo e inserimos a imagem
Para posicionar e ajustar o tamanho usamos o Filtro Size and Position. Determine a duração da exibição e para melhorar a apresentação insira os Filtros Fade In e Fade Out
Com esses métodos podemos inserir imagens para as mais diversas finalidades no Shotcut.






Vim: Trabalhando com arquivos


Transcrição do vídeo: Trabalhando com arquivos no Vim
Duração: 03:01



O Vim tem diversas opções para trabalhar com arquivos neste vídeo vamos conhecer algumas.

Para os exemplos deste vídeo criamos um diretório com 3 arquivos nomeados de um, dois e tres.

Ao digitar em modo de comandos e . abrimos o Navegador de arquivos no diretório em que estamos, com ele podemos localizar e abrir arquivos ao teclar Enter sobre um deles.

Podemos também abrir o navegador de arquivos ao lado da janela de edição. Teclando Vex em modo de comando. Você pode então abrir um arquivo sobrescrevendo a janela teclando Enter ou abrir em uma nova janela acima teclando "o". Você pode alternar entre as janelas teclando Ctrl+w Ctrl+w.

Podemos também trabalhar com janelas e abas.

As janelas podem ser criadas na vertical e na horizontal. Quando abertas por padrão repetem o conteúdo da primeira janela, podemos então usar o navegador de arquivos para abrir outros arquivos.




Para abrir uma janela na horizontal digite Ctrl+w e depois s.


Para abrir na vertical Ctrl+w e depois v.


Abrir uma janela vazia tecle Ctrl+w e depois n. Para alternar entre as janelas teclamos Ctrl+w Ctrl+w.
Para criar as abas digitamos em modo de comando tabnew, para navegar entre as abas usamos tabnext ou tabprevious.

Após abertos os arquivos passam a fazer parte do Buffer do Vim. Visualizar e navegar por arquivos no Buffer talvez seja a forma mais prática de trabalhar com vários documentos.

No Buffer você pode adicionar e remover arquivos, listar, navegar e abri-los.

Digite ls em modo de comando para listar os arquivos presentes no buffer. Apesar de existirem três arquivos no diretório atual apenas dois arquivos foram abertos, então apenas esses arquivos constam na lista do Buffer. O terceiroirá aparecer na lista se for aberto ou adicinado com o comando badd(Buffer add).

Vamos usar badd nome do arquivo, no caso tres, para adicionar o terceiro arquivo. 


Digite ls novamente e agora vemos 3 arquivos no Buffer, você pde alternar entre eles de várias formas


Experimente digitar b( de buffer) e o número do arquivo, o Vim carrega o arquivo correspondente.

Podemos usar ainda os comandos bn(Buffer next) e bp(Buffer previous) para navegar entre os arquivos.

Você pode usar bdelete para remover um arquivo da lista do Buffer. Experimente em modo de comando bdelete e o número do Buffer, no caso 3


Dê um ls agora e observe que o arquivo tres não faz mais parte do Buffer.

Lembre-se que o Vim é muito flexível e personalizável então pode ser que esses recursos sejam acessados e usados de forma diferente.






Gimp: Criando o efeito Duotone


Transcrição do vídeo: Criando o efeito Duotone com o Gimp
Duração: 02:51



Duotone é o resultado da combinação de meio tons de uma imagem onde uma cor contrastante se sobrepõem a outra cor. É um efeito bem comum e muito visto em mídias digitais.
Neste vídeo vamos criar o efeito Duotone utilizando o Gimp

Com a imagem aberta clique com o Botão direito sobre a Camada e insira um Canal Alfa.
Agora clique no Painel Canais. Clique com o Botão direito sobre cada um dos canais RGB e os duplique
Desabilite a opção Alfa e clique na opção de visualização de cada um dos canais duplicados e escolha o de maior contraste. No meu caso o escolhido foi o canal azul
Com o canal selecionado clique no Menu Camadas e na opção Foto do que é Visto, essa opção cria uma Nova Camada com o contéudo visível
Pronto, agora desabilite o canal, habilite o canal Alfa.
Mude para o Painel Camadas. Temos agora duas Camadas, uma da imagem e outra do canal que escolhemos.
Esse procedimento poupa tempo na limpeza da imagem e em deixá-la em preto e branco ou ton de cinza, aliais esse é um dos pré-requisitos para a realização do efeito.





Crie uma Nova Camada e escolha a cor branca como fundo, mova a nova camada para baixo e desabilite também a imagem original.

Vamos definir as cores que vão fazer parte do efeito, uma de tom mais claro para a Camada que acabamos de criar, eu escolhi a cor #f9d946, faça isso na dando dois cliques na Cor de Frente e no Diálogo preencha a opção Notação HTML com a cor do exemplo ou escolha uma a seu gosto. Feito isso feche o Diálogo.

Clique no Menu Editar e na opção Preencher com Cor de Frente, assim a Camada deixa de ser branca para assumir a cor que escolhemos.

Agora vamos para a Camada gerada a partir do canal, clique nela e escolha uma cor, dessa vez de tom mais escuro no diálogo Cor de Frente e Fundo, minha cor foi #db1bf7.  


Depois de escolhida a cor volte ao Painel Camadas e clique no Botão Travar Canal Alfa, isso evita que as partes transparentes venham a ser pintadas

Selecione a Ferramenta de Preenchimento, o balde, teclando "Shift+b" e clique sobre a parte escura da modelo, assim pintamos as partes escuras da nossa imagem com a segunda cor.

O efeito está pronto basta agora fazer alguns ajustes na intensidade e nitidez da imagem, podemos fazer isso trabalhando com as curvas de cor, clique no Menu Cores e em Curvas


No Diálogo deixe a curva semelhante a imagem se você estivar usando as mesmas cores do exemplo, caso contrário mova as linhas e ajuste a curva até encontrar o resultado satisfatório. Esse processo é bem pessoal.

Teste e pesquise por imagens com o efeito aplicado para aperfeiçoar o seu trabalho.